Testemunhos Vocacionais

"A missão é fonte de humanização, de renovação da fé", destaca seminarista Luciano Dalmolin após período de missão em Pernambuco

Ao longo do mês de janeiro deste ano, tive o privilégio de fazer parte da experiência missionária promovida pelo regional Nordeste II, na diocese de Floresta, sertão pernambucano. As palavras são sempre insuficientes para descrever a experiência. Penso que a missão, como vocação batismal e paradigma da Igreja, é um tempo de vivenciar a graça de Deus, manifestada em tantos rostos, em tantas vidas, em tantas comunidades reunidas para a vivência da fé. Foram dias desafiantes, de muito calor, de muito suor, de muitas caminhadas, de muitos abraços e também lágrimas de gratidão.

O povo simples e sofrido do sertão demostrou um espetáculo de acolhida e hospitalidade, partilhando da pobreza, que se manifesta como expressão da maior riqueza humana. O drama da seca e da falta da água não tiram do povo a esperança, a fé e o reconhecimento da generosidade divina. A terra seca que pisei é fértil em gestos de acolhida, de fraternidade e entusiasmo. A vida pobre em bens materiais é rica em expressões de carinho e bondade. Por isso, na missão, mais do que evangelizar é ser evangelizado, mais do que levar Deus, é encontrá-Lo nos rostos sofridos e gastos diante da dureza da vida. Acima de tudo, penso que a missão, como dizia Dom Helder Câmara, é “sair de si mesmo, é abrir-se aos outros como irmãos, descobri-los e encontrá-los”.

A missão é fonte de humanização, de renovação da fé, de aprendizado e de esvaziamento, de modo a deixar-se preencher por aquilo que as culturas têm de mais genuíno e precioso. Experiência gratificante também foi conviver com os povos indígenas, com seus ritos e tradições, e banhar-me nas águas do Rio São Francisco que é sinal de vida em meio a terra seca, levando esperança aos interiores do sertão onde o drama da falta de água impossibilita a vegetação e a agricultura.

Sou muito grato as aldeias indígenas do povo Atikum, da Paróquia Sagrada Família de Carnaubeira da Penha, assim como a Paróquia Santo Antônio de Ibimirim e São Francisco de Petrolândia, PE, por abrirem as portas para que eu pudesse conhecer e aprender com as comunidades. Gratidão também a tantos colegas, companheiros de missão, que foram grandes parceiros nos desafios que se apresentavam. Valho-me, mais uma vez dos dizeres de Dom Hélder, para sintetizar a experiência vivenciada: “mais que comum dos dias, olhei o mais que pude os rostos dos pobres, gastos pela fome, esmagados pelas humilhações, e neles descobri teu rosto, Cristo Ressuscitado!”.

Seminarista Luciano Dalmolin, da etapa da Teologia (Configuração). Em 2020 fará estágio pastoral na Paróquia Santo Antônio, em Bento Gonçalves.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s